|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 9 { professores: 0 | usuários com coleções públicas: 0 }

Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.

Refletir sobre como tratamos as pessoas com necessidades especiais


Plano de Aula do Filme A Pessoa é Para o que Nasce | Documentário | De Roberto Berliner | 1998 | 6 min | RJ


Dizem que nossos olhos são as janelas da alma, que podemos ver sem nem mesmo enxergar e que a justiça é cega.
A justiça deveria ser cega e não as leis! A situação proposta pelo filme nos faz refletir sobre como tratamos as pessoas com necessidades especiais.
Ver, sentir, cheirar, provar, olhar, falar, todas essas ações caracterizam o ser humano. O que é ser um cidadão que não possui uma destas ações? O que é ser no Brasil, uma pessoa com algumas incapacidades físicas?
O próprio filme nos responde, pois, em contrapartida,
nos mostra o espírito de sobrevivência que reside em cada um de nós, neste caso, nas três irmãs que buscam sobreviver.
Sobreviver? Merecemos muito mais do que isso, nós merecemos a vida plena com qualidade que cada cidadão deveria desfrutar! Mas este belo contexto ou sonho não se materializa do nada, é preciso ser construído. É neste momento em que a responsabilidade da Educação reside em formar pessoas que sejam capazes de reverter às mazelas de nossa sociedade, incluindo a todos
no processo educacional. Educação pela diversidade: é preciso mais ações efetivas no sentido de inspirar uma postura mais pró-ativa pela inclusão verdadeira e absoluta.
Estimulados por este curta, podemos propor diversas atividades que colocarão os alunos em contato com o universo de pessoas com necessidades especiais.
É preciso desenvolver uma metodologia que forme alunos atuantes e que assumam atitudes efetivas de inclusão. Um mundo ideal precisa ser sonhado, projetado por pessoas que entendam o conceito de coletividade e solidariedade.
A deficiência está na Humanidade ao proporcionar um modo de vida miserável a milhares de pessoas. Trata-se de uma "miopia" coletiva que faz com que os olhos se acostumem com a violência, com a injustiça, com o egoísmo. Como escreveu Marina Colassanti " a gente se acostuma, mas não devia".
O trabalho de transformação é de todos para todos, a parcela da Educação está em proporcionar aos alunos a oportunidade de vivenciar, discutir, experimentar, ou simplesmente "enxergar" o que se passa com pessoas que estão a margem as sociedade.
Para incluir é preciso antes de tudo "ver" com olhos de quem acredita que há utopia, que o sonho é necessário e possível!




Objetivos
Adotar atitudes de respeito pelas diferenças entre as pessoas, respeito esse necessário ao convívio numa sociedade democrática e pluralista

Situação Didática
A proposta que segue é baseada em uma metodologia que utiliza a Internet como um recurso no processo de ensino-aprendizagem.

1. Assista ao filme como alunos
2. Discuta a opinião deles sobre o filme
3. Proponha que descubram mais sobre o universo sobre pessoas com necessidades especiais visuais
4. Explique a metodologia proposta (WebQuest)
5. Forme as equipes de alunos
6. Peça que cada equipe escolha um nome que seja relacionado com o tema de estudo, por exemplo "equipe visão- além do alcance"
7. Combine como deverá ser a postura de cada um no trabalho em grupo
8. Após a escolha das tarefas pelas equipes, oriente cada grupo de acordo com a tarefa que eles escolheram em relação às especificidades
9. Após a conclusão de cada equipe, faça com o grupo reflita sobre me que o conhecimento socializado poderá ajudar na elaboração do desafio coletivo, a carta aos Vereadores da Cidade.

WebQuest é um tipo de pesquisa orientada, ela auxilia o aluno em aprender a pesquisar e utilizar diversos recursos e ainda a vivenciar outros papéis. O professor atua como mediador fornecendo alguns caminhos, links para orientar a pesquisa dos alunos. A socialização dos diferentes trabalhos dos alunos permite a troca entre eles.

A WebQuest deve ser publicada na Internet para facilitar o acesso de qualquer lugar e ainda compartilhar conhecimento.


Webquest- Ver para Crer

Introdução

Imagine se você ficasse um dia sem poder enxergar? O que faria? Como se sentiria vivendo em uma escuridão sem fim?

É assim que muitas crianças e adultos que têm necessidades especiais visuais vivem. Você já reparou como deve ser difícil andar pelas ruas esburacadas de nossas cidades sem poder enxergar?

Deve ser uma verdadeira aventura!

Que tal viver situações que te façam ver para crer que dá para fazer tudo só enxergando com os olhos do coração?

Entre nessa viagem!


Tarefa:

Missão: Você ira compor com seus amigos um quarteto e com eles escolherá uma das tarefas descritas no quadro abaixo, preparem-na com muito empenho, pois depois vocês irão compartilhar com todos os amigos. Depois de refletir sobre os diferentes pontos de vista sobre a vida de uma pessoa com necessidades especiais visuais o grande desafio será que você deverá escrever uma carta para ser encaminhada a Câmara de Vereadores de sua cidade sugerindo mudanças nas leis para contemplar uma melhor qualidade de vida as pessoas com necessidades especiais visuais.

Boa sorte!

Escolha sua tarefa para contribuir com a classe

Tarefa 1 Andar vendado pelas ruas com um guia e um relator
Tarefa 2 Você tem como tarefa escolher um livro para uma criança necessidades especiais visuais
Tarefa 3 Entrevista com uma pessoa com necessidades especiais visuais
Tarefa 4 Vestir com os olhos vendados e vivenciar o que verificar uma pessoa com necessidades especiais visuais faria?
Tarefa 5 Pesquisar se ma criança com necessidade especial visual pode navegar na Internet? O que já existe? Qual o preço?


Processo

Tarefa 1

1. O grupo deverá organizar um passeio pelo bairro sendo que um dos elementos da equipe deverá estar com uma venda nos olhos.
2. O guia terá como tarefa, acompanhar, auxiliar o amigo que está vendado.
3. O relator deverá fotografar as dificuldades vivenciadas.
4. Após o passeio a equipe deverá montar um relatório com as fotos explicando as principais dificuldades vivenciadas pela criança que esteve vendada.
5. A criança que andou com a venda deverá contar o que sentiu para a classe.
6. Pode-se revezar entre os papéis ( criança vendada, guia e relator).

Tarefa 2

1. O grupo deverá pesquisar se é possível uma pessoa com necessidades especiais visuais ler um livro.
2. Deverão trazer para a classe as seguintes informações:
- O que descobriram na pesquisa
- Qual o preço de um livro para pessoas com necessidades especiais visuais
- Se existem muitas opções de livros para pessoas com necessidades especiais visuais ler um livro.
3. Após a realização da tarefa o grupo deverá contar para a classe o que descobriram.

Tarefa 3

A equipe deverá pesquisar em instituições, ou através de indicações uma pessoa com necessidades especiais visuais que possa conceder uma entrevista para o grupo

Elaborar questões para a entrevista

Realizar a entrevista

Compartilhar com a classe o que aprenderam através de uma apresentação da entrevista.

Tarefa 4

A equipe deverá trazer algumas peças de roupas
Reunir as roupas em um local da sala
Colocar a venda em um dos membros da equipe e pedir que ele tente vestir-se por cima da roupa
Pode-se revezar para que todos da equipe tenham a oportunidade de vivenciar a experiência
Após a realização da tarefa o grupo deverá contar para a classe como foi participar da situação. O que facilitou ou dificultou.

Tarefa 5

1- O grupo deverá pesquisar se é possível uma pessoa com necessidades especiais visuais ler um livro.
2- Se esse uso for possível, explicar o como?
3- O grupo deverá apresentar para a classe o que utilizar e o preço do recurso.


Comentários
Recursos

http://www.entreamigos.com.br/textos/defvisu/inbadev.htm
http://www.fundacaodorina.org.br/fundacao/deficiencia.asp
http://www.laramara.org.br/init.htm
http://www.plenarinho.gov.br/camara/Reportagens_publicadas/camara-mais-perto-dos-deficientes-visuais
http://www.vivo.com.br/institutovivo/vivo_voluntario_-_deficiencia_visual.php
http://www.pr.gov.br/bpp/def_visual.shtml
http://www.pucminas.br/nai/alfabeto_braille.php
http://www.micropower.com.br/v3/pt/acessibilidade/index.asp
http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox/textos/guido.doc
http://64.233.169.104/search?q=cache:zcgPTn1CvOQJ:www.cinted.ufrgs.br/renote/fev2003/artigos/andrea_ambientes.pdf+acessibilidade+visual&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=19&gl=br

Avaliação:

A avaliação deste trabalho terá em conta os seguintes aspectos:
 Realização da tarefa proposta
 Socialização para a classe
 Ampliação de idéias para a elaboração da carta afinal.
 Envio da carta às autoridades locais.

Conclusão:

Cada pessoa é única e não há limites quando desejamos aprender e melhorar. As pessoas com necessidades especiais visuais podem fazer tudo. Como foi bom poder conhecer e aprender um pouco mais a respeito do mundo sobre o ponto de vista delas. Como escreveu Leonardo Boff "todo ponto de vista é a vista de um ponto". É preciso mais do que os olhos para enxergar que o mundo deve ser de todos e que qualidade de vida é uma construção!

Que tal você compartilhar com outras pessoas o que você aprendeu? Afinal, somos todos parte de um só. Você pode socializar com outras turmas? Que tal? Boa sorte!

Créditos e referências

http://www.webquest.futuro.usp.br/
http://www.webquest.futuro.usp.br/
http://webquest.sp.senac.br/

Pedagogo Autor do Plano de Aula
José Manuel Moran


Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes.
Atividades Profissionais: Diretor acadêmico da Faculdade Sumaré - SP; Especialista em avaliação de cursos superiores a distância; Professor aposentado da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.
Publicações: no último ano : MORAN COSTAS, José Manuel (Org.) ; MORAN, J. M. (Org.) ; MASETTO, M. T. (Org.) ; BEHRENS, M. (Org.) . Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 10ª. ed. Campinas, SP: Papirus Editora, 2006. 173 p.
Nível: Ensino Superior
Instituição: Faculdade Sumaré | São Paulo | SP