|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 51 { professores: 0 | usuários com coleções públicas: 0 }

Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.

As Baterias e a Diversidade Cultural


Plano de Aula do Filme Jorjão | Documentário | De Paulo Tiefenthaler | 2004 | 19 min | RJ


As baterias de escolas de samba têm sua origem, segundo José Ramos Tinhorão, nas bandas de barbeiros desde meados do século XVIII. Invocando o romance de Manoel Antônio de Almeida Memórias de um Sargento de Milícias, o autor reescreve um trecho sobre uma festa de igreja de 1800: "As festas daquele tempo eram feitas com tanta riqueza e com muito mais propriedade, a certos respeitos, do que as de hoje: tinham entretanto alguns lados cômicos um deles era a música de barbeiros à porta. Não havia festa que se passasse sem isso era coisa reputada quase tão essencial como o sermão o que valia, porém é que nada havia mais fácil de arranjar-se meia dúzia de aprendizes ou oficiais de barbeiros, ordinariamente negros, armados, este com um pistão desafinado, aquele com uma trompa diabolicamente rouca, formavam uma orquestra desconcertada, porém estrondosa, que fazia as delícias dos que não cabiam ou não queriam estar dentro de uma igreja".
Já no início do século XX, Ismael Silva dentre outros teve a idéia de montar um bloco carnavalesco que pudesse evoluir de forma mais organizada e de acordo com o som do samba. Assim, fundaram a mais antiga escola de samba, a Deixa Falar (que deu origem à Estácio), em 1928.
Segundo Marianne Zeh, foram os sambistas da Deixa Falar os responsáveis pela introdução da cuíca, do surdo e do tamborim, tornando as baterias cada vez mais complexas. A etnomusicóloga atribui também a este grupo a modificação dos padrões rítmicos então existentes. Fontes:
ALMEIDA, Manoel Antônio de. Memórias de um Sargento de Milícias. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1944. TINHORÃO, José Ramos. Música Popular, Um Tema em Debate. Editora 34, 2002. ZEH, Marianne. O Criador na Tradição Oral: a Linguagem do Tamborim na Escola de Samba. Disponível em: http://www.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2006/CDROM/COM/02_Com_Etno/sessao01/02COM_Etno_0105-023.pdf, acesso em 15/02/2009.




Objetivos
Conceber a Bateria das Escolas de Samba como manifestação cultural . Conhecer diferentes instrumentos de percussão. Valorizar a diversidade cultural . Utilizar diferentes linguagens para comunicar informações. Apreender a história das escolas de samba através da história da evolução de suas baterias.

Situação Didática
Propor que assistam ao curta considerando os seguintes pontos de observação: Quais os Instrumentos Básicos da Bateria ? Quais as funções dos instrumentos? Qual o papel do Mestre de Bateria? Quais as características do ritmo? Em seguida promova uma discussão a partir dos pontos de observação estabelecidos. Organize grupos para pesquisar mais sobre o tema. Acrescente as seguintes perguntas, além das questões acima: Qual a origem das Escolas de Samba? Quais as características e origens dos instrumentos da Bateria de uma Escola de Samba? Considerando os diferentes instrumentos de uma Bateria de escola de Samba (Surdos, Repique, Caixa, Chocalho, Tamborim, Cuíca, Agogô, Reco-reco, Pandeiro, Prato) qual é a distribuição e atuação dos mesmos durante o desfile? Cada grupo deve realizar a pesquisa sobre uma questão e organizar uma exposição interativa com as informações pesquisadas para apreciação pelos outros grupos e demais turmas da escola. A proposta de uma exposição interativa levará os alunos a buscar a integração das diferentes linguagens (áudio, imagens, texto, etc...). Proponha que organizem as informações usando os computadores da sala de informática de sua escola.


Pedagogo Autor do Plano de Aula
isabellima