|

Pessoas conectadas nos últimos 20 minutos: 71 { professores: 0 | usuários com coleções públicas: 0 }

Educadores
Cadastre-se para registrar os seus relatos de experiência com o uso de curtas-metragens em salas de aula e concorrer a prêmios para você e sua escola.

Poesia


Plano de Aula do Filme Olho de Mosca | Documentário, Experimental | De Felipe Nepomuceno, Pedro Asbeg | 2003 | 11 min | RJ


A poesia é ao mesmo tempo amada por uns e odiada por outros. Trabalhar com poesia dentro da sala de aula sempre traz um misto de excitação e desânimo. Raros são os alunos que gostam desse gênero e ainda mais raro os que o produzem. Esse vídeo traz uma reflexão sobre poesia, na visão de 4 poetas contemporâneos: Arnaldo Antunes, Antonio Cícero, Carlito Azevedo e Paulo Henriques Britto.





Objetivos

- Refletir sobre o tema poesia.

- Conhecer poesia sob o olhar de poetas.

- Estimular o gosto pela leitura e produção de poesia.


Situação Didática

1° momento:


Peça aos alunos que escrevam um parágrafo respondendo as seguintes questões:


- Você gosta de poesia? Por quê?

- O que é poesia?


Abra uma plenária para que a classe leia suas respostas. (É importante que os alunos leiam e não apenas digam suas respostas. Esse exercício exige do aluno que ele seja cuidadoso em sua redação).

Durante essa plenária solicite a um aluno que registre as principais justificativas por gostar e por não gostar de poesia. Coloque o vídeo para a classe assistir na íntegra


2° momento:


Assista novamente ao vídeo dividindo-o em partes:

parte 1 - início até 50"


Nessa parte há a leitura da parte de um poema de Carlito Azevedo http://rodrigo-madeira.blogspot.com.br/2012/05/carlito-azevedo.html, Entregue uma cópia da poesia aos alunos e discuta o entendimento do texto com eles.


III


A ideia é não ceder à tentação

de escrever o poema desse não-


lugar, desse círculo congelado

sem vasos comunicantes, fechado


em si, em sua pose, sua espera,

a ideia é alcançar a outra esfera,


não aquela onde tudo flui tão lento,

nem a outra, comum no movimento,


mas a última, a roda da vertigem

(esteja ela no fim ou na origem),


a ideia é pôr as duas mãos no centro

nervoso do delírio (aquele vento


na praça), para que a palavra ativa

congele a vida, como sói, mas viva


mesmo ferida da paralisia,

fluxo paralisado, a poesia.


3° momento:


parte 2 - início até 50"

Nessa parte os autores apresentam conceitos de poesia, sob a visão de cada um. Solicite que revejam a resposta ao questionamento do início da aula e reescrevam o conceito de poesia.

Peça que ao final, os alunos que desejarem, leiam o que escreveram para toda a turma.


4° momento:


parte 3 - início até 50"

Antes de soltar essa parte, lance a pergunta para o grupo: por que as pessoas não apreciam a poesia?

Coloque o vídeo e peça aos alunos que ao final escrevam um parágrafo respondendo a esse questionamento.


Paulo Henriques Britto: 19 de janeiro


Até esta chegar às suas mãos

eu já devo ter cruzado a fronteira.

Entregue por favor aos meus irmãos

os livros da segunda prateleira,


e àquela moça - a dos "quatorze dígitos" -

o embrulho que ficou com teu amigo.

Eu lavei com cuidado o disco rígido.

Os disquetes back-up estão comigo.


Até mais. Heroísmo não é a minha.

A barra pesou. Desculpe o mau jeito.

Levei tudo que coube na viatura,


mas deixei um revólver na cozinha,

com uma bala. Destrua este soneto

imediatamente após a leitura.


5° momento:


parte 4 - início até 50"

Essa parte servirá como motivação para o trabalho final da aula: a criação de um poema.

Coloque o vídeo. Nela é feita a declamação dos 3 poemas disponíveis abaixo, que devem estar impressos para os alunos acompanharem.


Pneumotórax - Manuel Bandeira


Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.


A vida inteira que podia ter sido e que não foi.

Tosse, tosse, tosse.


Mandou chamar o médico:

- Diga trinta e três.

- Trinta e três . . . trinta e três . . . trinta e três . . .

- Respire.

............................................................................................................

- O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.

- Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?

- Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.


Guardar - Antônio Cícero


Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.

Em cofre não se guarda coisa alguma.

Em cofre perde-se a coisa à vista.


Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por

admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.


Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por

ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,

isto é, estar por ela ou ser por ela.


Por isso melhor se guarda o voo de um pássaro

Do que um pássaro sem voos.


Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,

por isso se declara e declama um poema:

Para guardá-lo:

Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:

Guarde o que quer que guarda um poema:

Por isso o lance do poema:

Por guardar-se o que se quer guardar.


Pensamento - Arnaldo Antunes

Pensamento que vem de fora

e pensa que vem de dentro,

pensamento que expectora

o que no meu peito penso.

Pensamento a mil por hora,

tormento a todo momento.

Por que é que eu penso agora

sem o meu consentimento?

Se tudo que comemora

tem o seu impedimento,

se tudo aquilo que chora

cresce com o seu fermento

pensamento, dê o fora,

saia do meu pensamento.

Pensamento, vá embora,

desapareça no vento.

E não jogarei sementes

em cima do seu cimento.


6° momento:


Faça um levantamento com os alunos das características do gênero poesia, para isso pode solicitar que eles realizem uma pesquisa sobre, e após esse momento, solicite aos alunos que, em grupos ou individualmente, produzam poesias.

Publique-as em um blog e/ou produza um livro com as poesias mais votadas.



Pedagogo Autor do Plano de Aula
Caroline Franco


Atividades Profissionais: Consultora pedagógica do Instituto Paramitas
Nível: Ensino Superior