: Newsletter CurtaClube
Caso não esteja visualizando, clique aqui

Protagonismo indígena

Olá,

Gravado de forma espontânea, em menos de uma hora, com um celular e uma Handycam, o documentário em estreia Cordilheira de Amora II viaja pela mente fantástica de Carine, uma indiazinha Guarani kaiowá de 9 anos, que transforma seu quintal em um universo rico de histórias e personagens inventados. Sua matéria-prima para criar computador, salão de beleza e até ponto de ônibus são tijolos quebrados, pedaços de móveis, lixo e muita imaginação. 

À época da gravação, a diretora Jamille Fortunato frequentava a aldeia de Carine, no interior de Mato Grosso do Sul, para ensinar cinema aos seus moradores. O filme foi eleito em 2015 o Melhor Documentário em Curta-metragem no É Tudo Verdade, principal festival dedicado exclusivamente ao gênero do documentário na América do Sul.  

Em destaque, quatro curtas que nos apresentam como algumas etnias indígenas enxergam o mundo, além de exporem a luta desses povos por protagonismo na sociedade e no audiovisual.  

Equipe Porta Curtas

 

Cordilheira de amora II

A indiazinha Guarani Kaiowá Carine Martines vive na vila indígena de Amambai, no Mato Grosso do Sul, e transforma seu quintal em um experimento do mundo.  

 

Detalhes da obra
Gênero: Documentário
Diretor: Jamille Fortunato
Duração: 12 min

Zahy - Uma Fábula do Maracanã   Prîara Jô. Depois do Ovo, a Guerra  

Zahy Guajajara, 23 anos, é umas das líderes indígenas de uma aldeia criada ao lado do Maracanã, no antigo Museu do Índio, no Rio de Janeiro, ameaçado de demolição. Nesse vídeo criado a quatro mãos com Felipe Bragança, Zahy, pajé e contadora de histórias de sua aldeia, lança um novo olhar sobre o local onde viveu e resistiu. 

As crianças Panará apresentam seu universo em dia de brincadeiras na aldeia. O tempo da guerra acabou, mas ainda continua vivo no imaginário das crianças. 

Pajerama   Um Rei no Xingu  

Um índio é pego numa torrente de experiências estranhas, revelando mistérios de tempo e espaço. 1964: O Rei Leopoldo III, da Bélgica, visita o Parque Indígena do Xingu. A reconstituição dessa visita leva a uma reflexão sobre o choque produzido pelo encontro de diferentes humanidades.